Hoff abriu audiência pública sobre novo sistema de Transporte Coletivo na cidade

Home  »  Segurança  »  Hoff abriu audiência pública sobre novo sistema de Transporte Coletivo na cidade
abr 28, 2011 No Comments ››

Projeto para transporte é apresentado em audiência

Novamente cumprindo o papel a que nos propomos a frente da Presidência da Câmara de NH, de trazer assuntos de relevância para a sociedade hamburguense, nesta terça feira debatemos o novo sistema de transporte coletivo para a cidade. A necessidade do debate, que foi prestigiado pelo Executivo Municipal, veio de encontro com os questionamentos que foram feitos na audiência pública sobre os impactos da vinda do Trensurb até NH.
Confira a matéria abaixo de autoria da assessoria de imprensa da Câmara de NH:

Mobilidade foi tema de debate promovido pela Câmara

A chegada do trem, a implantação da passagem integrada, melhorias em paradas de ônibus. Esses e outros assuntos relacionados foram debatidos com a comunidade hamburguense na audiência pública sobre mobilidade urbana e transporte coletivo realizada na noite desta terça-feira, 26. Por iniciativa da bancada do PT (vereadores Matias Martins, Gilberto Koch, Alex Rönnau e Carmen Ries), representantes de vários bairros e de entidades reuniram-se no Plenário da Câmara. Na condução dos trabalhos, o vice Matias lembrou que falar em mobilidade e transporte público de qualidade significa falar em segurança, economia e agilidade. O secretário municipal de Segurança e Mobilidade Urbana, Danilo Oliveira da Silva, também estava presente.

O prefeito Tarcísio Zimmermann apresentou o projeto de reestruturação do transporte público. Ele destacou que já foram realizados encontros com a comunidade nos quais a mobilidade foi o foco das conversas. “Faltava trazer para dentro da Câmara. É mais uma oportunidade para que os cidadãos sejam informados.” Ele frisou que quatro fatores desencadearam esse debate: o desejo de melhorar o transporte coletivo; a implantação da passagem integrada; a anulação, pelo Superior Tribunal de Justiça, do processo licitatório vigente até 2009; e a chegada do trem.

Estratégia
Zimmermann apontou que cabe ao Município assegurar a mobilidade a todos os cidadãos. Por isso, a Prefeitura realizou um estudo e, posteriormente, definiu uma estratégia para melhorar o sistema. O edital para a nova contratação deve ser publicado na próxima semana. “O novo sistema significará novas paradas de ônibus, integração…”, disse. Além da nova licitação, o outro passo a ser dado é a adequação da infraestrutura.

O prefeito mostrou alguns resultados do estudo. “Tem descumprimento de horário, muito ônibus na área central, grande deficiência de oferta em algumas regiões, e a bilhetagem eletrônica é ineficiente”, disse. A proposta de melhorias, garantiu, não retira atendimento já existente, e permitirá deslocamento em mais de um veículo com apenas uma passagem. Ela implica ainda redução de percurso, implantação de infraestrutura de integração com corredor de ônibus, atendimento da demanda reprimida, bilhetagem com integração e, claro, a licitação do novo sistema – o que significará, espera Zimmermann, ônibus maiores, com ar-condicionado e horários mais confiáveis. “Haverá uma linha central, em torno da qual deverá se organizar o sistema.” A previsão é que o sistema transporte cerca de 48 mil pessoas em 3 mil viagens por dia, em um total de 20,4 mil quilômetros.

A ideia também é integrar melhor Novo Hamburgo a outras cidades da região e fazer uma ciclovia ligando o bairro Santo Afonso ao Centro. “Mas isso depende do alargamento da calha do arroio Luiz Rau.” O prefeito apontou ainda que, com as obras que estão sendo realizadas na cidade – ampliação da linha do trem e esgotamento sanitário – está sendo feita uma adequação temporária das vias. Isso é necessário, pois muitas ruas ficam obstruídas devido aos trabalhos. “Em cerca de 90 dias, essas mudanças começaram a ser postas em prática.”

“Passagem cara”
Líder do governo na Casa, Betinho lembrou que a comunidade ainda tem muitas dúvidas sobre como será o transporte coletivo na cidade. “Temos uma passagem cara, e precisamos de mais qualidade. Esse estudo apresentado mostra que, hoje, se anda mais do que o necessário. Ou seja, a mobilidade pode ser adequada. Por isso trouxemos essa discussão para cá.”

A líder da bancada, Carmen Ries, destacou que os cidadãos fazem muitas perguntas para ela e para os outros legisladores. Ela agradeceu a participação do Executivo, e lamentou que mais pessoas não estivessem presentes para fazer seus questionamentos.

Questionamentos
Raul Cassel (PMDB), líder da oposição da Casa, apontou que a mobilidade urbana é um dos gandes problemas da cidade atualmente. Ele estima que, com o projeto apresentado, as pessoas poderão economizar cerca de 20 a 30 minutos por dia em deslocamento.”Nos últimos anos, o número de veículos aumentou significativamente em Novo Hamburgo. Por isso, essas mudanças são necessárias. Quando tivermos um transporte de qualidade, as pessoas deixarão seus carros em casa e se deslocarão de ônibus.” O vereador quis saber se a pavimentação das ruas será priorizada, o que está previsto para as ruas Florença e 24 de Maio, quais os planos em relação aos moto-táxis, como ficarão as imediações do Bourbon Shopping Novo Hamburgo, o que pode ser feito sobre o transporte de valores no Centro e como ficará a situação dos taxistas que não podem renovar a frota, por trabalham sob liminar. “E qual o tempo previsto da implementação desse projeto apresentado?”, finalizou.

Respostas
O prefeito disse que a expectativa é que, ocorrendo tudo bem no processo licitatório, o novo sistema seja implantado em janeiro ou fevereiro do próximo ano. E reconheceu que a pavimentação é um problema. Segundo ele, faltam recursos para que todas as vias sejam repavimentadas. “Mas continuarmos com um bom desempenho da economia, acho que poderemos fazer isso.” Sobre os moto-táxis, Zimmermann informou que já pediu um estudo. “No que diz respeito ao shopping, não tenho resposta. Mas temos várias alternativas para aquela área.” O túnel da rua 24 de Maio é uma ideia aprovada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – Dnit. “Só que eu não acredito que existam recursos.” A rua Florença, junto ao Parcão, é uma possibilidade – mas ainda não há nada decidido. O mesmo foi dito sobre o transporte de valores. “Sobre os táxis com concessão precária, eles poderão concorrer na nova licitação. É uma decisão da Justiça que teremos que acatar.”

Colocações e dúvidas da comunidade
Rafael Beck, da União dos Estudantes de Novo Hamburgo – UENH, apontou que o horário de algumas linhas de ônibus não correspodem ao horário de entrada e saída das escolas, prejudicando os alunos. Segundo ele, o início das aulas em uma instituição chegou a ser alterado. Beck também perguntou sobre possíveis isenções aos jovens.A arquiteta Rosana Oppitz, representando o Partido Popular Socialista – PPS, perguntou se será feita uma compatibilização entre os estudos de mobilidade da Prefeitura e da Trensurb.

Mauro Slomp, representando empresários do bairro Liberdade, afirmou que o trem trará muitos benefícios a quem mora ou trabalha naquela região. Ele quis saber como está sendo planejado o fluxo de veículos nas proximidades das novas estações. A arquiteta Gladis Killing, vice-presidente de infraestrutura da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha – ACI, pediu mais atenção à integração com municípios vizinhos. “Podemos explorar mais nossa rodoviária, que tem uma localização estratégica.”

Mais repostas
Para Beck, o prefeito apontou que o objetivo das futuras alterações é ter um sistema mais eficiente – e que novas isenções dependem de como financiá-las. Sobre a compatibilização dos estudos, tema da pergunta feita por Rosana, salientou que os projetos dialogam uns com os outros. “Nos empenhamos para que eles se complementem.”

Sobre a pergunta de Slomp, Zimmermann frisou que o sistema de integração pensado para a estação Santo Afonso, pensado junto com a Trensurb, prev que esse seja um grande ponto de encontro da comunidade. E sobre o caráter regional de Novo Hamburgo, levantado por Gladis, apontou que há muitos problemas nesse sentido. “Mas claro que a chegada do trem na estação rodoviária vai revitalizar a rodoviária. E vamos pensar a Fenac para os próximos 50 anos. É algo que deve ser colocado a partir de agora.”
Fonte: http://www.camaranh.rs.gov.br/Noticias.asp?IdNoticia=4713

Leave a Reply